Sindicato recebe novo manual de segurança em máquinas de Papel, que será distribuído nacionalmente

Exemplares do  novo manual de máquinas de papel no município de Piracicaba, que é pioneiro e uma referência nacional para prevenção de acidentes no setor, foi entregue oficialmente nesta manhã de segunda-feira, 29 de janeiro, ao  presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Papel, Papelão e Cortiça de Piracicaba (Sintipel), Francisco Pinto Filho, o Chico, pela coordenadora do Cerest (Centro de Referência em Saúde do Trabalhador), Clarice Bragantini. A entrega dos exemplares, que agora será encaminhado aos Cerest´s  de todo País, ao Ministério Público do Trabalho, sindicatos de trabalhadores, empresas do setor, universidades técnicas, engenheiros e líderes do setor, enfim, para os diversos órgãos públicos que trabalham ou tem relação com o desenvolvimento de ações voltadas à segurança do trabalhado, também foi acompanhada pelo engenheiro de Segurança do Trabalho do Cerest Piracicaba, Eduardo Buoso, e pelos diretores do Sintipel, Emerson Cavalheiro, Aguinaldo da Silva Pereira e José Nivaldo Carletti.

Ao todo, são cinco mil exemplares do novo manual, que passa a ser uma referência para o desenvolvimento de ações voltadas à segurança do trabalhador que atua em máquinas de papel. “Como o Brasil não tem uma legislação específica sobre segurança em máquinas de papel, este manual passa a ser uma referência técnica para as fiscalizações”, destaca Eduardo Buoso.

O  presidente do Sintipel conta que  o manual foi lançado pela primeira vez em 2006, e sua revisão, para ser adequado à NR-12, teve início em 2012, tendo participação ativa do Ministério do Trabalho, Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest), Fundacentro e de representantes das empresas Oji Papéis, Klabin, Reipel, além do próprio sindicato, que se reuniram, ao longo deste tempo, mensalmente, para debater a atualização do documento, que visa garantir o trabalho com saúde e segurança no setor. “Desde o lançamento do primeiro manual, a realidade do setor mudou muito e, felizmente, ao longo destes mais de 11 anos, não foi registrado nenhum acidente que tivesse levado  a óbito trabalhadores do setor. Esta é uma grande conquista e, inclusive, uma referência nacional no setor”, acrescenta.

Chico destaca que a revisão deste manual foi um trabalho de seis anos, voltado a atualizá-lo e adequá-lo às novas Normas, como a NR-12, que trouxe alterações em máquinas nos últimos anos. “Temos que fazer um trabalho constante,  uma vez que os acidentes podem ocorrer, mas, principalmente, podem ser evitados, uma vez que são previsíveis e esta norma vem se somar ao trabalho de prevenção, inclusive, com certeza, contribuiu, e muito, para que fossem reduzidos no nosso setor”, completa Chico.

 

 

Vanderlei Zampaulo – MTb-20.124