Papeleiros discutem, em assembleia, pauta de reivindicações para da campanha salarial

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Papel, Papelão e Cortiça de Piracicaba (Sintipel) promove nesta quinta-feira, 17 de agosto, assembleia para discutir a pauta de reivindicações da categoria para a campanha salarial deste ano. A assembleia está marcada para as 17 horas, na sede do Sintipel (Rua Santo Antonio, 480), e, além de discutir a pauta de reivindicações, também poderá propor novos itens ao documento que será encaminhado ao setor patronal ainda neste mês.
De acordo com o presidente do Sintipel, Francisco Pinto Filho, o Chico, a assembleia debaterá as propostas de reivindicações para a pauta que foram tiradas no 2º Encontro Nacional dos Trabalhadores Papeleiros e pela diretoria Federação Estadual da categoria. “Esta é uma grande oportunidade, inclusive, de os nossos trabalhadores trazerem propostas que acreditem ser interessante garantir nas negociações da campanha salarial deste ano”, ressalta.
Os papeleiros somam cerca de 1500 trabalhadores na base do sindicato local e têm data-base em primeiro de setembro. Como forma de mobilizar a categoria, além desta assembleia na sede da entidade, o Sintipel também estará provendo assembleias na porta das empresas, como forma de ampliar a discussão com os trabalhadores.
Segundo Chico, entre as principais proposta que devem constar da pauta estão reajuste salarial conforme o INPC, mais 5% de aumento real; redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais nos setores de artefatos e papelão;  proibição da terceirização na atividade fabril; – manutenção dos postos de trabalho; piso salarial de R$ 1860,00; abono indenizatório de R$ 2.500,00; horas extras de 150%;  adicional noturno de 60%; cesta de alimentos de R$ 400,00; abono férias de 50% no salário nominal, a ser pago no retorno das férias; combate ao assédio moral e sexual, e combate à qualquer forma de discriminação racional, étnico e de gênero.

Vanderlei Zampaulo