Papeleiros decidem reivindicar aumento real, redução da jornada e proibição da terceirização

No 2º Encontro Nacional dos Trabalhadores Papeleiros, organizado pelo Departamento Nacional dos Papeleiros da CNTI (Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias), realizado de 5 a 7 deste mês, a categoria decidiu reivindicar na campanha salarial deste ano reajuste salarial conforme o INPC, mais 5% de aumento real, além de redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais nos setores de artefatos e papelão, e proibição da terceirização na atividade fabril, assim como a manutenção dos postos de trabalho. O Encontro, que reuniu cerca de 400 dirigentes sindicais de todo País, foi realizado em Praia Grande, na Colônia de Férias dos Comerciários, e Piracicaba esteve participando com um grupo de 11 dirigentes, liderados pelo presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Papel, Papelão e Cortiça de Piracicaba (Sintipel), Francisco Pinto Filho, o Chico.
De acordo com Chico, este Encontro Nacional marca o início dos preparativos da campanha salarial da categoria deste ano, definindo as principais bandeiras de lutas. Os trabalhadores das indústrias do  papel, que em Piracicaba somam cerca de 1.500, têm data-base em primeiro de outubro. Entre as bandeiras de lutas tiradas no Encontro Nacional também estão a garantia de piso salarial de R$ 1860,00; abono indenizatório de R$ 2.500,00; horas extras de 150%; adicional noturno de 60%; cesta de alimentos de R$ 400,00; abono férias de 50% no salário nominal, a ser pago no retorno das férias; combate ao assédio moral e sexual, assim como a qualquer forma de discriminação racional, étnico e de gênero.
O presidente do Sintipel ressalta que estes pontos foram tirados após os congressistas participarem de debates com técnicos do Dieese e Diap, que fizeram exposição sobre a “conjuntura econômica/balanço dos acordos coletivos”, e o atual cenário político/social e trabalhista e previdenciário no Brasil, inclusive com a participação dos deputados federais Arnaldo Faria de Sá (PTB) e Vicente Paulo da Silva, o Vicentinho (PT). Também foi feito raio-x do setor/eucalipto transgênicos e os turnos de revezamento. “Este encontro foi muito produtivo e  fundamental para a organização da categoria, uma vez que a partir de agora começamos a nos organizar estadualmente para colocar a campanha salarial na rua, visando construir e conquistar uma grande vitória neste processo de negociação”, conta.

Vanderlei Zampaulo – MTb-20.124