Em Encontro Nacional, trabalhadores papeleiros apontam rumos para campanha salarial deste ano

Diretores do Sintipel (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Papel, Papelão e Cortiça de Piracicaba) participaram nos dias 28 e 29 de junho do 3º Encontro Nacional dos Trabalhadores Papeleiros, que debateu a situação do setor e apontou rumos para a campanha salarial deste ano. O evento, realizado em Praia Grande, na colônia de férias a categoria, tendo como lema “Reconstruir o Brasil e Garantir Direitos de quem trabalha e produz”, reuniu cerca de 100 dirigentes de diversas regiões do País, conforme o presidente do Sintipel, Francisco Pinto Filho, o Chico, e marcou os preparativos para a campanha salarial deste ano.
O Sintipel esteve representado pelos diretores Emerson Cavalheiro, Aguinaldo da Silva Pereira, Odair Barros e Claudemir Rodrigues, e de acordo com Chico, as principais bandeiras tiradas no encontro servirão de indicativos para a elaboração da pauta de reivindicações da campanha salarial deste ano, que ainda será discutida em nível estadual e municipal. “Em Piracicaba, vamos promover assembleia no final deste mês, em data a ser definida, para debater com nossos trabalhadores os rumos desta campanha salarial”, conta.
No encontro nacional, após participarem de palestras com o DIAP e com o economista Márcio Pochamann, que presidiu o Ipea, e realizarem ampla discussão, conforme o vice-presidente do Sintipel, Emerson Cavalheiro, foram apontadas as principais bandeiras de luta para a campanha salarial deste ano, entre elas reajuste salarial; piso salarial R$ 1.953,00; abono Indenizatório de R$ 2.700,00; redução de jornada de trabalho para 40 horas semanais nos setores de artefatos e papelão; adicional noturno de 60%; horas extras de 150%; cesta de alimentos de R$ 475,00; abono de férias 50% salário nominal (no retorno das férias); manutenção dos postos de trabalho; combate ao assédio moral e sexual; combate a qualquer forma de discriminação: racial, ético e de gênero, assim como acompanhamento do termo de rescisão de contrato de trabalho (TRCT) pelo sindicato e fim da coparticipação nos planos de saúde.

Vanderlei Zampaulo – MTb – 20.124