Dirigentes do Conespi participaram de curso de qualificação e arrecadam leite para doação

Dirigentes sindicais de sindicatos filiados ao Conespi (Conselho das Entidades Sindicais de Piracicaba) participaram nesta última quinta-feira, 26 de julho, de curso de qualificação visando a atualização para o novo momento das relações trabalhistas. O curso foi ministrado pela assessora do próprio Conespi, Leila Motta, capacitada pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Sócioeconômicos), na Sede Campestre do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Papel, Papelão e Cortiça de Piracicaba (Sintipel), e os participantes fizeram a doação de litros de leite que serão doados a entidade assistencial da cidade.
O curso foi voltado a preparar o dirigente para uma nova maneira de aproximação com as bases, através de novos instrumentos de relacionamento, diante da atual realidade em que vivemos. “Procuramos mostrar a necessidade de adequação para este novo momento da sociedade, uma vez que os sindicatos são fundamentais para os trabalhadores”, conta Leila Motta.
De acordo com o presidente do Conespi, Wagner da Silveira, o Juca dos Metalúrgicos, o objetivo do curso foi de melhor orientar e atualizar os dirigentes sindicais para poder enfrentar os novos desafios surgidos com as novas demandas na relação trabalhista. “Sem dúvida alguma, vivemos um novo momento, em que precisamos estar preparados também para dialogar com nossos trabalhadores, razão de atuação dos sindicatos”, conta.
O presidente do Conespi destaca ainda que parte dos trabalhadores, principalmente, os mais jovens, geralmente, desconhecem a origem das conquistas que as categorias possuem nos dias atuais, como pisos salariais acima do salário mínimo, participação nos lucros das empresas, vale-refeição, convênios de saúde, melhorias constantes no ambiente de trabalho, entre outros benefícios. “Com certeza, todos estes benefícios são frutos da ação dos sindicatos e há necessidade de o trabalhador entender que temos que nos mantermos unidos, em torno dos sindicatos, para manter estas conquistas, assim como continuar o trabalho permanente para podermos ampliá-los e para isso se faz necessário que estejamos preparados para fazer este diálogo com o trabalhador, até porque o sindicato é o único instrumento que o trabalhador tem para defender os seus interesses”, completa.

Vanderlei Zampaulo