Carnaval será nos bairros com grande Apoteose no Engenho

A secretária municipal da Ação Cultural e Turismo (SemacTur), Rosângela Camolese, reuniu-se novamente nesta semana com representantes de cinco escolas de samba. Na pauta, o Carnaval de Rua de 2018 e outras atividades paralelas relativas à folia de momo. Da reunião também participou o prefeito Barjas Negri, falando da preocupação com as escolas e com a situação financeira da Prefeitura de Piracicaba.

Na oportunidade, José Luiz Ganino, da escola Acadêmicos do Caxambu, falou da preocupação com a Prefeitura, a partir de informações da mídia e da dificuldade em consolidar um projeto, para que as escolas recebam subsídios para desfilar. Ao longo do ano, a secretária Rosângela Camolese e as escolas de samba tiveram diversas reuniões para tratar do assunto.

As escolas, em comum acordo com a Prefeitura, por meio da SemacTur, optaram pela não realização dos desfiles de rua nos carnavais de 2018 e 2019. A intenção é de retomar os desfiles em 2020, com todas as escolas reestruturadas, mas com premiação, e não mais com subsídio. De acordo com a classificação no desfile, elas serão premiadas com recursos financeiros pelo espetáculo apresentado.

Camolese disse que a proposta chegou em boa hora, porque a Prefeitura ainda enfrenta dificuldades e para o próximo ano, não há expectativa de melhoras. Porém, como já conversado outras vezes, a SemacTur e as escolas vão promover um carnaval popular em alguns bairros escolhidos pelas escolas, uma grande festa – chamada por enquanto de Apoteose –, no Engenho Central, além de seguir com a programação costumeira, do Carnaval das Marchinhas, o Cordão do Mestre Ambrósio e o Bloco da Ema, no Largo dos Pescadores.

Na tarde de hoje (27), mais uma vez a secretária reuniu-se com os presidentes das escolas de samba, José Luiz Ganino (Acadêmicos do Caxambu), Cássio Marcelo Silveira (Ekyperalta) e Adirson Teixeira (Unidos da Cidade Alta) para discutir a programação e logística da grande festa popular que será direcionada às famílias piracicabanas. A festa contará com praça de alimentação, e toda a renda arrecadada será revertida para as escolas de samba e o carnaval de 2020.

Segundo Cássio Marcelo Silveira, as escolas não estão abandonando o desejo do carnaval de rua. “Estamos em busca do fortalecimento das comunidades para que em 2020, tenhamos um carnaval melhor estruturado”, explicou.

Flávia Silva Perez
Jornalista MTB: 43.882
Assessoria de Comunicação SemacTur