Barjas faz um balanço de 2017 e projeta avanços para 2018

Em uma coletiva de imprensa realizada  nesta quarta-feira 27 no Centro Cívico de Piracicaba o prefeito Barjas Negri fez a prestação de contas do mandato.
Bem descontraído Barjas falou das dificuldades e das medidas de austeridades pelas quais a Administração Municipal passou neste ano, problemas que afetaram as finanças publicas levando a  administração a fazer ajustes nos contratos  de serviços fundamentais como pagamento dos fornecedores o Social e da Educação.
Barjas também falou sobre o contingenciamento de R$ 65 milhões, executado ao longo doa  ano e que nos 12 meses do seu mandato foram economizados 4,2 milhões .
Para Barjas a experiência da equipe que compõe o secretariado municipal é dos fatores que contribuiu para a redução das despesas eles são especialistas e sabem como a maquina  administrativa  funciona e essa experiência possibilitaram honrar os compromissos do município.
Em 2018 a confiança pela recuperação econômica no país segundo Barjas deve trazer o retorno dos investimentos e obras e Piracicaba poderá voltará a receber investimentos, inclusive provenientes de emendas parlamentares Piracicaba poderá voltará a receber investimentos, inclusive provenientes de emendas parlamentares.
Barjas acredita que pelo orçamento bem definido e depois de um ano de um arrocho total ,2018 tende a ter avanços e Piracicaba poderá ter novas creches e postos de saúde o volume não sera o mesmo de anos anteriores mas tem tudo para ser um pouco melhor falou o prefeito.
Como foi 2017 .
 Austeridade – As principais ações desenvolvidas com o objetivo de reduzir despesas foram observadas na otimização dos investimentos em obras, instalações e equipamentos (corte de R$ 22.088.190), bem como em materiais de consumo (R$ 12.811.620), serviços de terceiros (R$ 13.752.130), Câmara de Vereadores (R$ 8.200.000), e juros e amortizações (R$ 1.399.480). Por outro lado, houve aumento nas despesas com pessoal e encargos (R$ 11.581.560), e custeio de sentenças judiciais (R$ 198.460).
Saúde  – Entre os projetos voltados à área da Saúde, Barjas destacou o prosseguimento dos trâmites para implantação do Hospital Regional de Piracicaba ‘Dra. Zilda Arns’, viabilizado após realização de nova licitação para ar condicionado, coifas e internet. “A previsão é colocar o hospital em funcionamento em março, o que certamente vai aumentar a qualidade do atendimento na área da saúde para Piracicaba e os municípios da região”, disse o prefeito. Outro feito relevante foi, no final de novembro, a assinatura da gestão com a Unicamp e o recente chamamento para contratação de 353 funcionários, além do corpo clínico.
Também na Saúde, Barjas destacou a doação de área para a instalação do Centro Oncológico da ONG (Organização Não Governamental) Ilumina que, durante este ano, obteve recursos para as obras da unidade. “Além disso tudo, em breve entrará em funcionamento a Faculdade de Medicina que, ainda que seja particular, a cidade ganha pela chegada de médicos como os residentes e plantonistas, entre professores e alunos”.
Boa Gestão – Barjas destacou ainda os diversos indicadores que ao longo de 2017 destacaram o bom desempenho obtido por Piracicaba nas áreas de gestão, saneamento e educação. Entre eles o estudo Desafios da Gestão Municipal realizado pela consultoria Macroplan entre as 100 maiores cidades do Brasil no qual Piracicaba figura na 1ª posição em educação e na 2ª no ranking geral.
Outro levantamento, este realizado pela Abes (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental), colocou Piracicaba na 1ª posição do Brasil em Universalização do Saneamento. O Semae disputou com mais 231 cidades com mais de 100 mil habitantes. No estudo, Piracicaba se destaca dentro do seleto grupo de 14 cidades nos itens abastecimento de água, coleta de esgoto, tratamento de esgoto, coleta de lixo e destinação de resíduos. Também foram analisados os números de internações advindas da falta de saneamento.
Obras Executadas –  Chefe do Poder Executivo municipal também apresentou as principais obras retomadas pela administração em 2017. Entre os projetos que estavam paralisados por falta de recursos  ou pela insuficiência de receita no Orçamento estão, conforme Barjas: a retomada das obras do Teatro Municipal.

Fonte: CCS