Bandas locais na Virada Cultural em Piracicaba

As bandas Cantoá, Capitão Nemo, Aldeia Kamikaze, Royales, Louv´Art e Orquestra de Viola Caipira “As Piracicabanas” compõe a programação do Palco 2 da Virada Cultural de Piracicaba, que acontece nos próximos dias 27 e 28 de maio, no Engenho Central. A seleção foi feita no início de maio na sede da Secretaria Municipal da Ação Cultural (Semac) por músicos da cidade. Além da qualidade musical e a produção autoral, a seleção primou pela variedade das vertentes musicais.

Para a secretária municipal da Ação Cultural e do Turismo, Rosângela Camolese, as bandas selecionadas para esta edição da Virada Cultural traduzem a pluralidade da música piracicabana. “O Palco 2 deste ano nos dará a oportunidade de vermos o quanto a música de nossa cidade é rica em mensagens e estilos. A seleção das bandas primou não só pela qualidade das produções, como também pela variedade de estilos. O resultado é uma programação que vai do rap ao jazz instrumental, passando pelo rock e pela viola caipira, com novos talentos e nomes já consolidados da cena musical de nossa cidade”, disse.

Cada banda tem meia hora de show, que são intercalados entre as apresentações no Palco 1. Com raízes na música regional caipira e nordestina, o Cantoá abre a programação do Palco 02 no sábado (27), às 19h – o grupo conta com um intérprete em Libras (Língua Brasileira de Sinais), destinado a deficientes auditivos. Logo após, às 20h30, é a vez do grupo de rock Royales, com nova formação desde o ano passado. A programação prossegue com a banda de rock Capitão Nemo, às 21h45 e fecha com o trio de rap Aldeia Kamikaze, às 23h15, logo após o show do rapper Rashid. No domingo (28), sobem ao palco a banda de jazz instrumental Louv´Art, às 16h, e a Orquestra de Viola “As Piracicabanas”, às 17h30.

A seleção das bandas ocorreu no último dia 1º, na sede da Semac, e contou com a participação do músico e produtor musicial Otiniel Aleixo, o Legal, o guitarrista e apresentador do programa “É Rock”, da rádio Educativa FM, Erlon Avelar, além do sambista André Bertini e da cantora Estela Manfrinato. “Buscamos os trabalhos que passaram mais consistência na mensagem. A música produzida por uma banda independente é algo que vem muito do coração, e vimos isso na maioria dos trabalhos enviados, pouca coisa tinha uma aproximação maior de um lado mais mercadológico”, disse Erlon.

“Meus principais critérios foram musicalidade, qualidade e profissionalismo. É uma pena precisar escolher apenas alguns, pois vi e ouvi muitas coisas interessantes, porém faltava a algumas delas maturidade musical e lapidação nos arranjos e composições”, disse Estela Manfrinato, com carreira ligada ao MPB e ao jazz. O sambista André Bertini considerou a questão do produção autoral. “É um ponto realmente importante para qualquer músico ou banda independente, a que gera maior dificuldade. Senão fica o mais do mesmo”, explicou o músico, autor dos discos “Fio de Bigode” (2013) e o mais recente, “O que deu no bicho?” (2016).

Virada Cultural Piracicaba – Palco 02 | Programação

Sábado
19h: Cantoá – música regional
20h30: Royales – rock
21h45: Capitão Nemo – rock
23h15: Aldeia Kamikaze – rap

Domingo
16h: Louv´Art – jazz instrumental
17h30: As Piracicabanas -orquestra de viola caipira

Com informações da Semac/Piracicaba
Crédito da foto: Divulgação/Facebook
Felipe Poletti